Golden Queen

SEÇÕES

Luva de Pedreiro: há explicação jurídica para anulação de contrato? Saiba +

Influenciador se envolveu em uma polêmica envolvendo o empresário, Allan Jesus, e o contrato que firmaram.

Luva de Pedreiro | Reprodução / Instagram @allanjesus
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Iran Ferreira, mais conhecido como Luva de Pedreiro, é uma das figuras mais conhecidas no mundo. Suas redes sociais tem números impressionantes que, certamente, atraem muito trabalho para quem o agencia. No entanto, o influenciador se envolveu em uma polêmica envolvendo o empresário, Allan Jesus, e o contrato que firmaram. O caso foi parar na Justiça do Rio e vem dando o que falar.

Para entender melhor o imbróglio, o LANCE! ouviu diversos advogados especialistas em casos como o de Iran. O intuito, claro, é de elucidar o leitor sobre as nuances jurídicas da questão. Além disso, é importante entender aquilo que se deseja saber: ‘É possível, pela Lei, conseguir a anulação do contrato por incapacidade de compreensão do documento?’

O contrato possui três pontos primordiais. A primeira faz referência ao investimento de Allan Jesus, já que, segundo o documento, Iran precisaria arcar com todos os "custos-extras" da relação. Embora tenha vindo a público, de acordo com o empresário, que 200 mil reais foram colocados à disposição do influenciador e que jamais faltou algo, a passagem é considerada desigual por advogados.

Luva de Pedreiro e seu ex-empresário, Allan Jesus; impasse no contrato polêmico. (Foto: Reprodução / Instagram @allanjesus) 

- É comum a obrigação deexclusividade de uma ou de ambas as partes em muitos contratos de representação comercial, agência agenciamento e intermediação de negócios, incluindo atuação nas plataformas digitais. Isso em si não é causa de nulidade. Mas o que se espera em troca de uma exclusividade concedida é uma contraprestação, um investimento, é um apoio consistente neste tipo de relação, para viabilizar o retorno do esforço e trabalho da parte representada (no caso, o Iran) - diz Aluízio Napoleão, advogado e bacharel em psicologia. 

- Essa multa e os encargos moratórios aplicáveis a apenas uma das partes certamente representam fortes elementos de que o contrato não previa igualdade entre o Luva de Pedreiro e o seu empresário. Não podemos afirmar que houve má fé, mas parece um indicativo de que o contrato não era paritário ou simétrico, pois previa desvantagens substanciais à parte mais vulnerável (o Luva de Pedreiro) - Bianca Pumar, titular e sócia do escritório de advocacia Pinheiro Neto, também opina.

Leia Mais

Vale destacar, também, que a multa unilateral de R$5,2 milhões em caso de rompimento do contrato antes do tempo estimado para finalização (4 anos), também chamou atenção dos juristas. A cláusula também traz o caso para mais perto do campo da insuficiência de conhecimento por parte de Iran.

- Nesse caso em particular do Luva, você percebe que a multa é para ele, as obrigações são dele, é justamente o que faz a grande desproporção contratual. Por conta disso, a multa e tudo mais, é que não deve ser difícil conseguir uma liminar para a suspensão do contrato - frisa Emanuel Pessoa, mestre pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, antes de completar:

- O judiciário não pode terminar esse processo rapidamente, ele precisa passar por todas as instâncias. Eu lembro a você que falamos com base em conclusões apresentadas pela mídia, já que, em teoria, o contrato deveria estar sob sigilo de Justiça - concluiu. 

Antes das audiências, também veio à público que o empresário Allan Jesus teria feito uma oferta de acordo, no valor de R$ 20 milhões. Contudo, as negociações não avançaram, já que os advogados de Iran negaram prontamente a proposta. Os entrevistados concordam com a decisão e explicam o porquê, juridicamente.

- Não tivemos acesso ao contrato e seria prematuro dizer se o pagamento de R$ 20 milhões seria suficiente ou justo. De qualquer forma, o principal objetivo de um acordo é encerrar uma disputa entre as partes. Se, no caso, o Luva de Pedreiro e o seu ex-empresário conseguirem chegar a um número para encerrar a disputa, o que geralmente é o mais difícil nessas negociações, um acordo geralmente se mostra mais vantajoso para que cada um possa seguir a sua vida profissional, em vez de dependerem de uma ação judicial que pode se arrastar por anos, afastando possíveis clientes e patrocinadores - reflete Bianca.

- A contraproposta de 20 milhões de reais para um acordo parece algo fora de propósito ou razoabilidade mas é difícil opinar sem conhecer todos os fatos e ouvir todas as partes envolvidas. Mas neste contexto, melhor pagar para ver e aguardar as decisões judiciais, sem dúvida - completa Aluízio.

Próximos capítulos

O encontro seguinte entre Iran e Allan acontecerá nesta terça-feira. As partes terão a primeira audiência de conciliação, com objetivo de dar os primeiros passos rumo a uma decisão final da Justiça.

Conforme obtido pelo L!, o planejamento dos advogados do Luva de Pedreiro segue sendo o mesmo: conseguir a anulação completa do contrato, sem que o cliente precise pagar a multa.

Se decidir pela causa de Allan Jesus, Iran precisará pagar, como mencionado, R$5,2 milhões para não estar mais associado ao empresário. No entanto, pelas opiniões dos advogados entrevistados, Luva de Pedreiro está em boas mãos e pode ter o acordo que almeja, com o acompanhamento necessário, é claro.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Golden Queen Mapa do site